Mangia meglio, vivi meglio

O pesto genovês tradicional italiano é feito com manjericão (ou basílico, como os italianos chamam), queijo pecorino, bastante alho e pinoli.

Pinoli são sementinhas provenientes do pinheiro nativo da região mediterrânea. É como se fosse o nosso pinhão, porém bem menor, tem textura amanteigada e um sabor que eu não sei com o que comparar, só provando para saber. Na Europa ele é utilizado em várias receitas e também como petisco. Agora eu entendo porque o Jacopo diz que a mãe dele tinha que arrancar ele debaixo da árvore quando ele era criança: simplesmente é uma coisinha que não dá vontade de parar de comer. O único problema é que essa sementinha custa uma pequena fortuna no Brasil: cerca de R$290,00/kg!

Tendo em vista o preço dos pinoli pelas nossas bandas, geralmente utilizamos nozes, mas podemos utilizar ainda amendoim, amêndoas, castanha do pará, pistache e até mesmo o…

Ver o post original 398 mais palavras

Pesquisa da USP mostra que comer fora de casa pode aumentar o risco para excesso de peso

MARIANA LENHARO – Agência Estado

Entre os paulistanos, quem tem o hábito de comer fora de casa tem também maior risco de estar acima do peso. Essa é a conclusão de um estudo da Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo (USP), que também mostrou que a variedade de alimentos consumidos em restaurantes e lanchonetes, mais ricos em gordura, está associada a um maior índice de hipertensão.

O estudo se baseou em dados do Inquérito de Saúde de Base Populacional no Município de São Paulo (ISA-Capital), feito entre 2008 e 2009 e financiado pela Secretaria Municipal da Saúde. Foram 834 pessoas entrevistadas, entre adolescentes, adultos e idosos, das quais 32% afirmaram fazer pelo menos uma refeição fora de casa por dia.

Segundo a autora do estudo, a nutricionista Bartira Gorgulho, o consumo de alimentos gordurosos é facilitado em restaurantes e lanchonetes. Bartira acrescenta que é perfeitamente possível ter uma alimentação saudável fora de casa sem gastar muito com isso. Restaurantes por quilo, por exemplo, geralmente oferecem várias opções de verduras e legumes.

Para a nutricionista Ariana Fernandes, da Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e da Síndrome Metabólica (Abeso), um dos motivos que elevam a quantidade de calorias das refeições feitas fora de casa é a falta de tempo. “Muitas vezes, as pessoas optam por um lanche rápido, que quase sempre é bem mais calórico que uma refeição balanceada.”

O brasileiro come fora cada vez mais. A Pesquisa de Orçamentos Familiares do Instituto Brasileiro de Geografia Estatística (IBGE) aponta que, em 2003, os gastos com alimentação fora do domicílio entre a população urbana representava 25,7% dos gastos totais com alimentação. Em 2009, essa parcela subiu para 33,1%. As informações são do jornal O Estado de S.Paulo.

Posts relacionados:

https://mariafernandaelias.wordpress.com/2010/01/30/qual-a-composicao-ideal-do-prato-de-uma-pessoa-adulta-que-precisa-almocar-todo-dia-fora-de-casa/

https://mariafernandaelias.wordpress.com/2012/10/16/dicas-de-alimentos-praticos-e-saudaveis-para-intercalar-entre-as-refeicoes/

 

Comunicação de Nutrição e Saúde

Pesquisas científicas já apontaram o consumo do leite como um dos pilares da boa alimentação. Tempos depois, parte da comunidade científica passou a recomendar que adultos excluam o alimento da sua dieta. E a polêmica se instaurou. Afinal, consumir leite faz mal à saúde dos adultos? Para responder essa perguntas as cientistas Maria Teresa Bertoldo Pacheco, do Centro de Química de Alimentos e Nutrição do Instituto de Tecnologia de Alimentos (Ital), e Adriane Elisabete Costa Antunes, professora da Faculdade de Ciências Aplicadas da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), pesquisaram o tema e publicaram o resultado no livro Leite para Adultos: Mitos e Fatos frente à Ciência, publicado pela Varela Editora e lançado este mês durante o 8º Simpósio Latino-Americano de Ciências de Alimentos.

Maria Teresa conta que uma corrente dos nutricionistas defende a abolição do consumo de leite por adultos. Um dos argumentos usados é o de que o sistema…

Ver o post original 958 mais palavras

tudoai.com

Estudo demonstra que praticar esportes aumenta o nível de satisfação consigo mesmo

Pessoas correndo com o Sol forte durante a edição 2012 da Lorne Mountain To Surf

Pessoas correndo: segundo pesquisa, manter uma vida ativa está muito relacionado com felicidade a longo prazo

Os nervos se transformam em concentração, a concentração em motivação e esta, finalmente, em impulso para alcançar o objetivo proposto. Olhe o frequencímetro (ou não), cruze a meta e conquiste sua vitória. Sinta que mereceu a pena e compreenda o sentido da frase que outras pessoas lhe disseram: “Todo esforço tem sua recompensa”. Alegria? Não, euforia! Você conhece essa sensação.

Ver o post original 147 mais palavras

tudoai.com

vinho 1

Marketing na Cozinha

O ritual de degustar um bom vinho é algo que nunca será substituído. Quem gosta, faz questão e ponto. Não com pretensões de mudar o jeito de beber, mas de facilitar o modo de beber vinho a Stacked Wines lançou uma embalagem de quatro ‘taças’ empilhadas. Todas lacradas, permitindo que tome apenas uma taça sem abrir uma garrafa inteira. Também sugestionam a ideia de levar para piquenique, churrasco ou festa. A embalagem importa sim, mas eles garantem que o vinho é de ótima qualidade.

Ver o post original 1 mais palavra

O impacto do Super Bowl na dieta dos americanos

Quem curte futebol americano (como eu!) sabe que domingo, dia 03/02/13, é o grande dia. É o dia do Super Bowl, jogo que determina o campão anual da National Football League (NFL). Esse ano, o evento acontece em New Orleans e os times que se enfrentam são o Baltimore Ravens e o San Francisco 49ers.

Mas, você deve estar pensando: “O que  Super Bowl tem a ver com nutrição”?

Além de ser, há anos, o programa mais assistido na televisão americana, o dia do Super Bowl é considerado o segundo maior dia de consumo de alimentos nos EUA.

O evento é propício para festas e comemorações, que levam ao consumo massivo de itens classificados na categoria de “snacks”, que incluem salgadinhos e aperitivos.  Além deles, os mercados de cervejas, oleaginosas (castanhas, amêndoas) e food services também sofrem um enorme crescimento nessa data.

Operadores como Pizza Hut e Taco Bell adequam seus estoques e funcionários para a grande demanda do próximo domingo. Eles oferecem, ainda, combos de refeições temáticas, que, historicamente, são grandes sucessos de vendas durante o evento.

Por outro lado, os especialistas afirmam que o consumo de frutas decresce consideravelmente nessa data.

Conclusão: Dia de Super Bowl é dia de FESTA e não de pensar em dieta.

Bom jogo!!

EI

Fonte: Euromonitor

Dieta Mediterrânea adaptada com produtos do Brasil pode reduzir risco para doenças cardiovasculares

Fonte/ Adaptado de: Fernanda Bassete – O Estado de S. Paulo

Projeto do Hospital do Coração com o Ministério da Saúde substitui ingredientes caros

A ideia é simples: substituir os alimentos da dieta mediterrânea por ingredientes brasileiros, mais baratos, respeitando as características regionais do País. Foi assim que nasceu a dieta cardioprotetora brasileira, num projeto do Hospital do Coração (HCor) em parceria com o Ministério da Saúde.

Os resultados, publicados em dezembro na revista científica Clinics, são otimistas: mostraram que os pacientes que receberam a dieta adaptada conseguiram perder peso e reduzir os índices de pressão arterial, a glicemia, o triglicérides e o índice de massa corporal (IMC).

Pacientes dos grupos-controle, que receberam a dieta mediterrânea, também melhoraram os índices, mas de maneira menos intensa. Agora, a pesquisa será ampliada e realizada em 40 hospitais do Brasil, exclusivamente com pacientes do SUS.

A dieta mediterrânea é reconhecida por seu efeito protetor ao coração. Ela é composta por alimentos típicos de países banhados pelo Mar Mediterrâneo e baseada no alto consumo de peixes, frutas, legumes, cereais e azeite. Também estimula o consumo moderado de vinho.

BANDEIRA DO BRASIL
O cardápio adaptado contempla todos os tipos de alimentos. O diferencial é que eles foram divididos em três cores, de acordo com a bandeira brasileira: verde (frutas, verduras, legumes e desnatados), amarelo (pães, massas, arroz e batata) e azul (carnes, peixes e aves). A ideia é pensar na bandeira na hora de montar o prato, respeitando a proporção das cores. “Alimentos do grupo verde devem ser consumidos em maior quantidade, os amarelos de forma moderada e os do grupo azul em menor quantidade.