Estudo mostra que a falta de sono pode levar ao aumento de peso

Fonte: Veja Saúde online

O hábito de dormir pouco leva uma pessoa a comer mais do que necessita, especialmente nos horários em que deveria estar dormindo.

Passar cinco dias dormindo pouco – menos do que cinco horas por noite — pode ser o suficiente para fazer com que uma pessoa engorde cerca de um quilo, concluiu um novo estudo da Universidade do Colorado em Boulder, nos Estados Unidos. De acordo com a pesquisa, quem passa mais horas acordado, embora gaste mais energia, come mais do que precisa e, assim, ingere uma quantidade de calorias maior do que gasta, especialmente à noite, o que acaba promovendo o ganho de peso.

Essas conclusões foram publicadas nesta segunda-feira no periódico Proceedings of the National Academy of Sciences (PNAS). Segundo escreveram os autores do estudo no artigo, diversos estudos já relacionaram o hábito de dormir pouco a uma maior propensão à obesidade, mas poucos conseguiram encontrar uma explicação para tal associação.

CONHEÇA A PESQUISA

Título original: Impact of insufficient sleep on total daily energy expenditure, food intake, and weight gain

Onde foi divulgada: periódico PNAS

Quem fez: Rachel Markwalda, Edward Melansonb, Mark Smitha, Janine Higginsd, Leigh Perreaultb, Robert H. Eckelb e Kenneth Wright

Instituição: Universidade do Colorado em Boulder, EUA

Dados de amostragem: 16 pessoas com uma média de 24 anos

Resultado: Dormir menos do que cinco horas por noite, durante cinco dias, pode engordar, em média, um quilo. Em comparação com pessoas que dormem nove horas por noite, quem tem um sono de apenas cinco horas gasta mais energia, mas consome mais calorias, especialmente após o jantar

Anúncios

Dicas para aumentar o consumo de frutas e hortaliças

Já está bem estabelecido na literatura a importância do consumo diário de frutas e hortaliças para a manutenção da saúde e do bem-estar.

Mas, se você não está habituado a consumir as três porções diárias de cada um desses grupos de alimentos, como recomenda o Ministério da Saúde, aqui vão algumas sugestões:

1) Mantenha pequenas fruteiras em locais de fácil visibilidade e acesso, tanto em casa como no trabalho

2) Utilize uma variedade de itens para preparar saladas, refogados, recheios de tortas, bebidas e sobremesas

3) Inclua banana, maçã, morango, mamão e outras frutas no café da manhã

4) Se você não tem muito tempo, compre hortaliças que já foram pré-higienizadas

5) Mantenha um diário alimentar, pois a ferramenta pode auxiliar no controle das porções diárias consumidas

6) Programe sua semana com antecedência e faça uma lista de compras

 

Fonte: Revista NESFIT. Por_Maria Fernanda Elias: http://migre.me/8J9T0

Calorias: Perguntas e Respostas

Eu setembro, eu concedi uma entrevista para a Revista Sport Life sobre o tema “calorias”. Confira o conteúdo que foi notícia:

– O que é caloria? Caloria  é a unidade ainda utilizada para medida da energia. A caloria  (cal) foi originalmente definida como a quantidade de energia necessária para elevar a temperatura de um grama (1,0 g) de água em um grau Celsius (1,0 °C), mais precisamente de 14,5 °C para 15,5 °C. Como a quantidade de energia envolvida no metabolismo dos gêneros alimentícios é muito alta, a quilocaloria (kcal), equivalente a 1000 cal, comumente é utilizada para expressar os valores calóricos dos alimentos. Termoquimicamente, a definição da caloria é 4,184 Joules.

– Qual é a sua função para o corpo? As calorias que ingerimos diariamente devem fornecer energia suficientes para a realização das atividades de uma pessoa, bem como manter a temperatura constante do corpo. As diferentes atividades determinam exigências calóricas diferentes.

– De tanto “contar calorias” muitas pessoas acabam a encarando como um inimigo. Ela deve ser realmente tratada como um bicho papão? De forma alguma. As calorias são necessárias para que haja vida. Sem energia, o organismo não consegue desenvolver suas atividades biológicas. O problema ocorre apenas quando a ingestão calórica é maior do que a necessidade do indivíduo.

– Como se mede o valor calórico dos alimentos? Existem duas maneiras. Uma delas é por meio dos macronutrientes (proteínas, os carboidratos e as gorduras). Os macronutrientes, ao serem transformados em compostos menores, fornecem energia ao organismo por meio do metabolismo. Nesse sentido, 1g de proteínas = 4kcal; 1g de carboidratos = 4kcal; 1 g de gordura = 9kcal. Então, sabendo a quantidade (ou o valor centesimal) de cada macronutriente que compõe o alimento, basta fazer as contas. A outra forma é utilizar um equipamento chamado bomba calorimétrica. Esse aparelho determina e soma a energia bruta de todos os compostos orgânicos do alimento (carboidratos, proteínas, gorduras, água, fibras), portanto, é mais preciso.

– O que é a caloria negativa? De onde veio essa ideia?  O termo caloria negativa na verdade não faz sentido, pois não existe um alimento que forneça quantidade de energia menor que zero. Entretanto, o termo é muitas vezes utilizado para se referir a situação onde o organismo gasta mais energia para metabolizar o alimento do que a quantidade de energia presente no alimento. Essa situação é vista ao se consumir algumas frutas e hortaliças. Outro exemplo prático é o da água gelada. Apesar da água não conter calorias, o organismo gasta energia para metabolizar a água gelada consumida.

– Para você, qual é a melhor maneira de perder peso sem ficar neurótico com a contagem de calorias? Minha receita é adquirir hábitos de vida saudável (alimentação equilibrada, prática regular de exercícios físicos e manutenção do bem-estar). As pessoas não devem ficar presas ao valor calórico dos alimentos e lembrar que uma alimentação saudável depende de ingredientes variados (prato colorido), quantidade adequada e sabor. Além disso, sempre que possível, é importante consultar um nutricionista. Esse profissional poderá ajudar o indivíduo a atingir seus objetivos de maneira segura, saudável e comendo o que gosta, sem excluir nenhum tipo de alimento. Muitas vezes as pessoas tem receio que o nutricionista irá privá-las dos alimentos que gostam. Entretanto, todos os alimentos podem fazer parte de uma dieta saudável, desde que consumidos na quantidade certa, na combinação certa e na hora certa. Nessa tarefa complicada, o nutricionista é um aliado.

 

Harvard Healthy Eating Plate

Pesquisadores da Universidade de Harvard, nos EUA, divulgam mais uma ferramenta que orienta para uma alimentação equilibrada.

Especialistas no Brasil sugerem que a nova ferramenta se utilizada paralelamente à Pirâmide dos Alimentos.

Para maiores detalhes, acesse: http://www.hsph.harvard.edu/news/press-releases/2011-releases/healthy-eating-plate.html

Fonte: Folha.com - Equilíbrio e Saúde

 

Café da manhã e controle de peso

O hábito de realizar o café da manhã diariamente, associado a uma alimentação equilibrada ao longo do dia, pode contribuir com o controle do peso corporal, pois, além de reduzir o consumo de gorduras na dieta, ajuda a controlar o apetite.

Estudos científicos* comprovam que as mulheres que adquirem hábitos de vida saudáveis e seguem uma dieta balanceada, com inclusão regular de cereais integrais, tendem a ganhar menos peso do que aquelas que não os consomem.

Considerando-se que a maior parte das pessoas fica em jejum por um longo período de horas entre a última refeição da noite e o despertar, os cereais apresentam-se como uma importante fonte de carboidratos, que fornecem energia para garantir a disposição para enfrentar a correria do dia-a-dia.

Pensando em tudo isso, a Nestlé preparou uma novidade para quem buscam um café da manhã com baixo teor calórico e muito sabor: o Nesfit & Frutas. O lançamento adiciona frutas desidratadas (mamão, coco, abacaxi e uva passa) ao tradicional cereal NESFIT, que é feito com grãos integrais e é rico em fibras, vitaminas e minerais, como cálcio e ferro.

O produto estará disponível nos supermercados a partir da segunda quinzena de setembro.

 

* Liu S, Willet WC, Manson JE, ET AL. Amer. J. Clin Nutr. 2003; 78, 920-927

Fonte: Imprensa Nestlé Brasil

 

Operação Biquíni 2012

Preparem-se para novas dicas sobre como adotar um estilo de vida mais saudável: a Operação Biquíni 2012 vem aí, com mais novidades e prêmios. E eu, vou ficar bem mais perto de vocês. Aguardem!

http://www.nestle.com.br/operacaobiquini/blog.aspx

O frio e a fome

É comum, as pessoas sentirem mais fome durante o inverno e isso acontece por dois motivos.

O primeiro é que o nosso organismo precisa de mais energia durante o inverno, para conseguir manter a temperatura corporal dentro da normalidade.

O segundo motivo é que, para muitas pessoas, o clima frio e os dias cinzentos de inverno tendem a promover certa tristeza, o que diminui a produção de serotonina – uma substância que promove a sensação de bem-estar. Com o objetivo de reverter essa situação, as pessoas buscam o prazer por meio do consumo de maior quantidade de alimentos.

Para enfrentar o inverno de maneira saudável, sem comprometer a saúde e o peso adequado, lembre-se de incluir verduras, legumes e cereais integrais nas refeições. Eles podem ser utilizados como ingredientes no preparo de uma variedade de sopas, uma opção que aquece e agrada toda a família.

Fonte: Revista NESFIT – Operação Biquíni

Link:  http://www.nestle.com.br/operacaobiquini/post/2011/05/25/O-frio-e-a-fome.aspx