Pirâmide Alimentar é redesenhada: conheça o que mudou

Esquema gráfico que indica a proporção de cada tipo de alimento que deve ser ingerida diariamente, a pirâmide alimentar adotada no Brasil foi criada em 1999, pela pesquisadora Sonia Tucunduva Philippi, do Departamento de Nutrição da Faculdade de Saúde Pública da USP (Universidade de São Paulo). Agora, pela primeira vez, o instrumento de consulta passou por modificações para melhorar a qualidade da dieta dos brasileiros.

As proporções continuam as mesmas, assim como a disposição dos grupos de nutrientes na pirâmide. O que mudou foi a inclusão de alguns alimentos, como o arroz integral , as folhas verdes-escuras, peixes como salmão e sardinha e oleaginosas como castanha-do-pará.

“O redesenho e a inserção de novos alimentos foram necessários para melhor adaptação à dieta e aos hábitos culturais dos brasileiros. A refeição é um momento no qual se deve ter prazer. Então, as boas escolhas alimentares também devem levar esses fatores em consideração”, declara Philippi.

Fonte: UOL Notícias Saúde (13 jul 2013)

A Fome Oculta afeta 1 em 4 pessoas no mundo.

A carência de micronutrientes, conhecida como fome oculta, afeta cerca de um terço da população mundial e está relacionada principalmente à deficiência de ferro, zinco, iodo e vitamina A.

A fome oculta recebe essa nomenclatura por se instalar de forma silenciosa, sem sinais clínicos aparentes. Entretanto, mesmo que o quadro não seja avançado, ela já é capaz de causar danos relevantes à saúde, aos sistemas de saúde e à sociedade.

De modo geral, a desnutrição infantil resulta em retardo do crescimento, subdesenvolvimento físico e mental e aumento da mortalidade. Dentre os adultos, as maiores conseqüências são letargia, diminuição da capacidade física e reprodutiva, declínio da função cognitiva e debilidade imunológica.

Nesse sentido, a fome e a desnutrição são fatores que impedem o desenvolvimento econômico e social de comunidades e grandes nações. Os custos envolvidos no tratamento e no gerenciamento das consequências da desnutrição, sejam eles medidos em termos humanos, fiscais ou econômicos, são extremamente elevados.

Por outro lado, os especialistas defendem que os valores necessários para a prevenção da desnutrição são baixos. As ações governamentais e investimentos em nutrição são justificáveis, não apenas por questões morais, mas também pela redução de despesas com saúde, aumento da produtividade e conseqüente crescimento econômico e social.

Leia Mais:

Profissional de Saúde: http://www.nestle.com.br/nestlenutrisaude/NestleBio.aspx

 

Outros leitores: ftp://ftp.fao.org/docrep/fao/005/y8346m/y8346m01.pdf

 
Fonte: Maria Fernanda Elias. Fome Oculta: a palavra da Profa. Dra. Andréa Ramalho. Revista Nestlé Bio: Nutrição e Saúde. Ano 5, no. 14, 2011. 
 
 

Começou a Operação Biquíni

Você se cuida por 14 dias e aprende a ficar saudável o ano todo.

Uma alimentação saudável deve ser, sobretudo, prazerosa. Isso significa que, alem do balanço de nutrientes e energia, a refeição deve satisfazer três de nossos sentidos: visão, olfato e paladar. Afinal, quem nunca ouviu aquele famoso ditado que diz que “nós comemos com os olhos”. 

O ambiente também deve ser calmo e silencioso, com o objetivo de promover uma refeição mais lenta e, consequentemente, uma digestão mais eficiente. 

E não de esqueça de algumas regrinhas: faça três refeições por dia intercaladas por pequenos lanches; consuma diariamente frutas, verduras, legumes e cereais integrais; mastigue bem os alimentos; beba bastante água ao longo do dia e pratique atividade física.

Que participarda Operação Biquíni?

Visite: http://www.nestle.com.br/operacaobiquini/page/Operacao-Biquini.aspx

Espero por você!

Saúde da Mulher – Parte 2

Nutrição na adolescência

Durante a puberdade, o corpo das meninas se desenvolve mais rapidamente que em outras fases da vida e, portanto, a ingestão adequada de energia e nutrientes é fundamental para acompanhar este ritmo, além de suprir as perdas provocadas pela menstruação. Outro fato que merece atenção é que a liberdade e independência promovida por esta fase pode acarretar em maus hábitos alimentares. Aliado a isso está a questão da insatisfação com a imagem corporal que pode levar à adoção de dietas da moda ou o costume de pular refeições com o objetivo de emagrecer. Tudo isso torna a adolescente vulnerável à deficiência de nutrientes como vitaminas D e do complexo B, proteínas, e os minerais cálcio, ferro e zinco.

 Nutrientes para as futuras mamães 

A nutrição e o estilo de vida durante a gestação e a lactação são fatores críticos para o desenvolvimento e crescimento saudável da criança, assim como para a saúde da mãe. O ácido fólico (uma vitamina do complexo B) é essencial para a formação do DNA e do tubo neural já no início da gestação. O cálcio e a vitamina D atuam no desenvolvimento do tecido ósseo. O ômega-3 tem função nas células do sistema nervoso central e desenvolvimento da visão. Evidências científicas sugerem que a vitamina B6 reduz a intensidade dos enjôos matinais, queixa freqüente nos consultórios.

 Maturidade com saúde 

A menopausa é reconhecida por ser um período de vulnerabilidade, estresse psicológico e sintomas depressivos. Um estudo realizado com mulheres de meia-idade mostrou uma melhora significativa de humor durante a suplementação com ômega-3. Esta gordura poliinsaturada é também protagonista na promoção da saúde cardiovascular. Contudo, os sintomas mais comuns e reconhecidos nesta fase são as ondas de calor, decorrentes da diminuição nos níveis de estrógeno. Foi demonstrado que a genisteína, componente encontrado na soja e produtos derivados, diminui a freqüência e a duração das ondas diárias de calor em mulheres na pós-menopausa. A mesma substância, aliada ao cálcio e às vitaminas D e K, contribui para a manutenção do tecido ósseo.    

 Além dos alimentos in natura, muitos produtos industrializados são enriquecidos com os mais diversos nutrientes e contribuem para a ingestão diária recomendada. Paralelamente, sempre que necessário, os suplementos nutricionais também podem ser considerados uma opção. Não deixe de consultar um médico ou nutricionista para qualquer alteração na sua alimentação.

 fonte: Maria Fernanda Elias – elaborado com exclusividade para DSM Nutritional Products

Saúde da Mulher

Já faz tempo que a mulher deixou de ser o sexo frágil. Guerreiras e batalhadoras, as mulheres não se acomodaram e foram à luta. Conquistaram seu espaço na sociedade, quebraram paradigmas e, finalmente, provaram que são muito mais fortes do que se imaginava. Mas essas vitórias vieram com um desafio: preservar a saúde ao mesmo tempo em que acumulam cada vez mais atividades no dia a dia. 

Nos países desenvolvidos e em desenvolvimento, a porcentagem de mulheres que vivem em ritmo acelerado e em situação de estresse tem aumentado ao longo dos anos. Este fato se deve à soma de responsabilidade, já que, além de trabalhar fora de casa, a mulher continua responsável pelos cuidados com a família e com a casa.

Quando falamos de saúde, consideramos uma série de aspectos, como a relação com o meio ambiente, as condições de trabalho, moradia, lazer, renda, prática de atividade física e, principalmente, os cuidados com a alimentação. 

Além de viver mais tempo que os homens, em média 6 a 8 anos, as mulheres possuem características biológicas próprias, que as diferencia dos gênero masculino. Em termos gerais, as mulheres são menores, mais leves, possuem maior porcentagem de gordura corporal e menor taxa de metabolismo. Essas e outras diferenças exigem cuidados nutricionais específicos. 

A menor taxa de metabolismo basal, por exemplo, indica que a mulher deve ficar mais atenta à quantidade de calorias diárias que consome e, principalmente, à qualidade nutricional dos alimentos. As alterações hormonais e a perda de sangue pela menstruação também requerem atenção especial, assim como os períodos de gestação e lactação. 

Uma alimentação balanceada, que inclui itens de todos os grupos da pirâmide alimentar brasileira contribui para uma vida longa e saudável. As mulheres adultas, sempre que possível, devem optar por carnes, leite e derivados com menores quantidades de gordura. Os peixes são exceção, pois contribuem com a ingestão de ácidos graxos poliinsaturados (como o ômega-3). Cereais integrais, frutas, verduras e legumes recebem destaque pelo conteúdo de fibras, vitaminas, minerais, carotenóides e outros antioxidantes.  

fonte: Maria Fernanda Elias – elaborado com exclusividade para DSM Nutritional Products

Saúde dos Olhos

Evidência científica comprova os benefícios da luteína e zeaxantina para a saúde dos olhos.

 A luteína e a zeaxantina são os dois únicos carotenóides encontrados na mácula lútea, região central da  retina, onde a acuidade visual é aguçada. Estes carotenóides são encontrados em alimentos como: frutas e legumes amarelo-alaranjados, vegetais verde-escuros e na gema do ovo. 

Um estudo, coordenado por pesquisadores do Departamento de Oftalmologia da Harvard Medical School e do Medical College da Geórgia, demonstrou o papel crucial da luteína e da zeaxantina na manutenção da distribuição celular do epitélio pigmentário da retina (RPE), responsável pelo bom funcionamento das células fotorreceptoras (cones e bastonetes). O descompasso no funcionamento deste complexo pode levar à degeneração das células e, conseqüentemente, à redução da acuidade visual. 

Os pesquisadores investigaram uma colônia de chimpanzés criada à base de uma dieta isenta de carotenóides. Este histórico alimentar levou à ausência destas substâncias na retina e conseqüente distribuição celular anormal do RPE. Quando os chimpanzés foram suplementados com luteína e zeaxantina, a concentração plasmática e a densidade da pigmentação macular aumentaram rapidamente. E o mais importante, a distribuição celular anormal do RPE foi parcialmente normalizada.

 Estudos anteriores já haviam comprovado que o aumento da ingestão de luteína e  zeaxantina estava associado à redução do risco de degeneração macular e catarata, duas das maiores causas de cegueira, atingindo cerca de 30 milhões de pessoas no mundo.

 Uma dieta rica em nutrientes antioxidantes como as Vitaminas A, C e E, além dos carotenóides luteína e zeaxantina, pode auxiliar no combate às doenças oculares. Entre os alimentos que possuem os nutrientes essenciais para a saúde dos olhos estão: frutas cítricas, brócolis, espinafre, gema de ovo, cenoura, mamãe e melão. Segundo a Organização Mundial da Saúde, mais de 200 milhões de pessoas nos países em desenvolvimento correm o risco de desenvolverem cegueira noturna devido à carência de vitamina A.

 Degeneração Macular

 Dados recentes do Conselho Brasileiro de Oftalmologia estimam que, aproximadamente, 2,9 milhões de brasileiros, com mais de 65 anos de idade, apresentem casos de degeneração macular. Com o aumento da expectativa de vida, é natural que este número se eleve, daí a importância desses micronutrientes à saúde humana.

  Fatores de Risco Nutrientes essenciais Principais fontes
 

Catarata

 

Fumo, diabetes, exposição excessiva aos raios solares UV e poluição.

 

Vitaminas antioxidantes C e E; Carotenóides luteína e zeaxantina.

 

Frutas cítricas, brócolis, espinafre, gema de ovo.

 

Degeneração Macular Relacionada à Idade

 

Fumo, histórico familiar, exposição excessiva aos raios solares e doenças cardiovasculares.

 

Carotenóides luteína e zeaxantina.

 

Brócolis, espinafre, gema de ovo.

 

Cegueira Noturna

 

Deficiência de vitamina A

 

Vitamina A e betacaroteno (pró-vitamina A)

 

Cenoura, gema de ovo, espinafre, mamão, melão.

 Fonte: DSM Nutritional Products.

O café-da-manhã é realmente importante?

A falta de tempo, a correria do dia a dia e até mesmo a ausência de apetite logo cedo acabam fazendo com que muita gente saia de casa sem tomar o café da manhã. Mas, se seu objetivo é levar uma vida saudável e ter energia ao longo do dia, reserve alguns minutos para fazer essa importante refeição.

O café da manhã é responsável por quebrar o período de jejum prolongado depois de uma noite de sono. O fato de não se alimentar pela manhã desencadeia uma fome exagerada durante o almoço, fazendo com que se coma demais. Além disso, os alimentos consumidos no café da manhã contribuem significativamente para que as necessidades diárias de nutrientes como, por exemplo, cálcio e fibras sejam atingidas.

O Ministério da Saúde recomenda que sejam feitas três refeições principais por dia (café da manhã, almoço e jantar), intercaladas por pequenos lanches. Para manter o bom funcionamento do organismo, é muito importante não pular nenhuma delas.

Lembre-se de incluir sempre uma variedade de itens da pirâmide alimentar na sua refeição.

Leia essa e outras dicas no Diário Operação Biquini: http://www.nestle.com.br/operacaobiquini/page/Nutricionista-Maria-Fernanda-Elias.aspx