Pirâmide Alimentar é redesenhada: conheça o que mudou

Esquema gráfico que indica a proporção de cada tipo de alimento que deve ser ingerida diariamente, a pirâmide alimentar adotada no Brasil foi criada em 1999, pela pesquisadora Sonia Tucunduva Philippi, do Departamento de Nutrição da Faculdade de Saúde Pública da USP (Universidade de São Paulo). Agora, pela primeira vez, o instrumento de consulta passou por modificações para melhorar a qualidade da dieta dos brasileiros.

As proporções continuam as mesmas, assim como a disposição dos grupos de nutrientes na pirâmide. O que mudou foi a inclusão de alguns alimentos, como o arroz integral , as folhas verdes-escuras, peixes como salmão e sardinha e oleaginosas como castanha-do-pará.

“O redesenho e a inserção de novos alimentos foram necessários para melhor adaptação à dieta e aos hábitos culturais dos brasileiros. A refeição é um momento no qual se deve ter prazer. Então, as boas escolhas alimentares também devem levar esses fatores em consideração”, declara Philippi.

Fonte: UOL Notícias Saúde (13 jul 2013)

Pirâmide Alimentar para Crianças e Adolescentes

A Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) fez uma adaptação da Pirâmide Alimentar para atender as necessidades nutricionais de crianças e adolescentes, visando promover a saúde e o bem-estar.

Os grupos alimentares são os mesmos da pirâmide original para adultos e apenas as porções foram adaptadas para atender as necessidades específicas de cada faixa etária:

– cereais, pães, tubérculos e raízes

– verduras e legumes

– frutas

– feijões

– carnes e ovos

– leite, queijos e iogurtes

– óleos e gorduras

– açúcar e doces

Vale lembrar que a boa hidratação e a prática regular de exercícios físicos também são fundamentais para a manutenção da saúde.

Conheça a Pirâmide em detalhes:

 

 

População brasileira apresenta ingestão inadequada de cálcio

 Pesquisas realizadas no Brasil nos últimos anos apontam que a ingestão de cálcio pela população é de cerca de 300 a 500 mg por dia, valores muito inferiores às recomendações atuais de cerca de 1.000 mg para população adulta. Os dados são confirmados pelo estudo BRAZOS (The Brazilian Osteoporosis Study) que constatou que 99% da população apresentam ingestão inadequada do mineral, sendo que o consumo médio atinge apenas 52% das necessidades diárias.

As melhores fontes dietéticas de cálcio são leite, queijo e iogurte, sendo que, sem eles, dificilmente consegue-se atender as recomendações diárias deste nutriente, quando comparado a outros alimentos considerados fontes, como os vegetais verdes-escuros. Os leites com baixo teor de gordura e os desnatados também são ricos em cálcio.

 A literatura científica oferece amplo conhecimento sobre a importância do cálcio para as diversas funções biológicas e seu envolvimento na saúde óssea, pressão arterial, manutenção do peso corporal, síndrome da resistência à insulina, dentre outros.

Considerado um alimento saboroso e extremamente versátil, o leite é consumido principalmente no café da manhã, podendo ser utilizado como ingrediente culinário nas mais variadas preparações doces e salgadas.

A recomendação do Guia Alimentar para a População Brasileira e da Pirâmide dos Alimentos é que se consuma diariamente três porções de leite e derivados, sendo que uma porção equivale a um copo de leite (200ml) ou 1 ½ fatia (50g) de queijo tipo minas.

 Fonte: Revista Nestlé Bio no. 12

Quero perder peso, posso fazer apenas 3 refeições por dia?

Se sua meta para o verão é perder peso, você deve ficar atento ao seu balanço energético.  Uma pessoa perde peso quando a quantidade total de energia (calorias) que ela consome por meio dos alimentos for menor que a quantidade de energia que ela gasta fazendo as atividades cotidianas. As pessoas que mantém um equilíbrio energético não ganham nem perdem peso.

 Mas ficar de olho apenas na quantidade de calorias não é suficiente para manter sua saúde. Quando uma pessoa fica muito tempo sem comer, o nível de açúcar no sangue cai e ela começa a se sentir fraca, indisposta e a ter dores de cabeça. Esses sintomas variam de pessoa para pessoa e de acordo com a quantidade de horas que ela permaneceu em jejum. Portanto, o ideal é que haja uma distribuição dessas calorias ao longo do dia.

 O Guia Alimentar para a População Brasileira, elaborado pelo Ministério da Saúde, recomenda que para garantir a saúde sejam feitas três refeições principais por dia (café-da-manhã, almoço e jantar), intercaladas por pequenos lanches.

 Existe também uma indicação sobre a quantidade de calorias que você deve consumir em cada uma das refeições. A Pirâmide alimentar brasileira distribui as calorias da seguinte forma: 25% no café-da-manhã, 5% no lanche da manhã, 35% no almoço, 5% no lanche da tarde, 25% no jantar e 5% no lanche da noite.

 Por exemplo, se seu nutricionista recomendasse que você consumisse 1.500 calorias por dia, a distribuição ficaria da seguinte forma:

 – café-da-manhã: 375 calorias

– lanche da manhã: 75 calorias

– almoço: 525 calorias

– lanche da tarde: 75 calorias

– jantar: 375 calorias

– lanche da noite: 75 calorias

 E não se esqueça de incluir diariamente frutas, verduras, legumes e cereais integrais nas suas refeições.